CLICK AQUI

sábado, 25 de maio de 2013

Ex-vereador foi morto com mais de 100 facadas e teve cabo de foice introduzido no ânus, confirma perícia


Vítima era homossexual
O Núcleo de Medicina Legal (Numol) de Campina Grande – revelou nesta sexta-feira (24) o resultado da perícia inicial feita no corpo do ex-vereador e professor de língua portuguesa, Emanoel Bernardes dos Santos, 65 anos, que foi encontrado morto dentro de sua própria residência, na cidade de Serra Redonda, no Agreste do Estado.
De acordo com a análise feita no corpo, a vítima sofreu 106 golpes de instrumentos cortantes. A hipótese é que o profissional foi executado com golpes de faca e foice, visto que as possíveis armas do crime foram localizadas pela polícia.
Além disso, os autores do homicídio ainda introduziram um pedaço de madeira (possivelmente o cabo da foice) no ânus da vítima, que era homossexual. Depois do crime, quatro pessoas chegaram a ser detidas, no entanto, apenas duas tem envolvimento com o homicídio.
Um jovem, identificado como Iure, e um outro de nome Charles Antônio Araújo Xavier. Na cadeia, Charles negou que tenha praticado o homicídio. “Eu não matei, quem fez isso foi Iure”, disse.
Entenda o caso
Emanoel Bernardo dos Santos, 65 anos, foi morto dentro da própria casa na madrugada desta sexta-feira (24) na cidade de Serra Redonda, onde morava, no Agreste da Paraíba. Ele era professor de Português e também ficou bastante conhecido na região por ter atuado como vereador daquele município. 
Testemunhas afirmam que, no começo da manhã desta sexta (24), os vizinhos de Emanuel viram as portas da casa dele abertas e ao entrarem, encontraram o corpo do ex-vereador sobre a cama. Ao lado do cadáver, havia uma foice.
O crime chamou a atenção dos moradores da cidade
Foto: O crime chamou a atenção dos moradores da cidade
Créditos: Márcio Rangel
A polícia informa que ele foi assassinado com golpes de faca e de foice. Quatro pessoas suspeitas de estarem envolvidas no crime foram detidas.
Segundo o depoimento de vizinhos, Emanuel era homossexual, mas estava divorciado e se comportava como uma pessoa calma e tranquila. O filho da vítima disse que ele gostava de fazer muitas festas e costumava levar para casa pessoas estranhas de procedências desconhecidas.