CLICK AQUI

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Fabiano Moura de Moura fala sobre decisão de deixar a toga para evangelizar.


Fabiano Moura de Moura fala sobre decisão de deixar a toga para evangelizar
Em entrevista na tarde deste sábado (01), após o anúncio de sua "aposentadoria" para se dedicar a evangelização, o juiz Fabiano Moura de Moura abriu o coração sobre o que chamou de "chamado" para se dedicar a evangelização e a psicologia.
Demonstrando grande satisfação com sua decisão, Fabiano contou que vem recebendo várias demonstrações de carinho e respeito por sua decisão: "Tenho recebido de todos um carinho muito grande, principalmente daqueles que conhecem a minha vocação e o meu chamado". E completou: "Esta vontade de servir as pessoas que mais precisam é algo que sempre existiu em mim e a psicologia é outra coisa que gosto muito. Afinal, ajudar sempre foi meu propósito".
Em sua Carta aberta, Fabiano cita o Papa Francisco e aproveitamos para saber se o novo chefe da Igreja Católico foi um dos seus incentivos para deixar a toga e se dedicar a evangelização. "Eu vejo o Papa Francisco como aquele que traz grandes novidades, mas sempre tive um carinho especial pelos demais papas". E seguiu: "O papa é uma referência, compreendo ele como o apóstolo Pedro, e com Francisco vejo um tempo de mudanças e um chamado", disse.
 Click aqui e Curta a fanpage do Notícias e informações Online no Facebook e receba as últimas notícias
Leia a carta aberta:
Carta Aberta aos Meus Amigos

Tomei uma grande decisão em minha vida. Pedi aposentadoria da condição de juiz de direito, função que durante anos pude dedicar-me com responsabilidade e amor.
A recente Lei que diminui o prazo de contribuição para os deficientes me deu a oportunidade de poder optar pela aposentadoria. Para os que não sabem, desde que nasci, tenho visão monocular ( CID. 10 H 54-4). Sou cego de um olho, mas enxergo bem pelo outro. Fiz a opção de não viver lamentando pela visão que não tenho, mas louvar pela graça de ter um olho que me permite enxergar bem. Hoje, justamente por essa cegueira, terei o direito de dar à minha vida o rumo que desejo pelas razões que passo a apresentar:

1- Passei anos de minha vida na condição de magistrado. Função que honra e dignifica qualquer pessoa. É uma atividade de muito poder que termina por gerar um respeito imenso das pessoas com quem esse profissional convive. Foi um tempo maravilhoso em que pude ajudar a muita gente com minhas decisões e sentir-me útil na resolução de tantos conflitos.

2- Tive uma carreira exitosa, com reconhecimento local e vários registros e comendas nacionais pelos maiores órgãos da justiça brasileira. Saí da magistratura como o vigésimo nono juiz mais antigo da Paraíba e, tendo eu apenas 44 anos de idade, tenho a consciência que chegaria ao mais alto cargo de minha carreira em meu Estado.  Tive a graça de ser o juiz mais novo do Brasil a compor uma corte eleitoral.

3- Contudo, preferi aposentar-me. Prefiro dar curso à vocação que arde em mim. Quero mais servir a Deus servindo aos meus irmãos e a uma Igreja viva. É verdade que, mesmo sendo juiz, pude iniciar uma vida de compromisso com aqueles que de mim precisaram dentro e fora da magistratura. Mas quero, distante do poder, ter mais tempo para dedicar-me à escuta e ao trabalho de evangelização na minha condição de batizado.

4- A nossa Igreja vive um momento tão bonito de transformação e responsabilidade  com seu povo que padece pela falta de solidariedade e compaixão. Enquanto eu puder viver a minha condição de batizado, quero oferecer-me inteiramente à prática do bem, sendo eu imperfeito, sendo Jesus perfeito em seu amor misericordioso.  Ouço a voz do Santo Padre, Papa Francisco, como um chamado para que todos de seu rebanho vivam a vocação de serviço sem temor e com todas as ofertas possíveis que cada membro dessa Igreja tem a colocar no altar. A minha oferta é a minha disponibilidade de servir a quem de mim precisar. É tudo que tenho. É o que posso oferecer.

5- Quero estar mais presente em atividades pastorais. Quero usar o meu potencial para falar para todos, nos mais diversos meios de comunicação, do amor de um Deus que nunca se esquece de nós. Quero utilizar meus conhecimentos científicos da Psicologia para atender em clínica (que pretendo em breve inaugurar), participar mais ativamente da Fundação Solidariedade ( onde sou Embaixador) e na Comunidade Eucarística Maná (onde me coloco como servo menor) como forma de solucionar conflitos humanos e espirituais.

6- Peço as orações de todos. Agradeço a todos os colegas e amigos de trabalho que me ajudaram a ser o juiz que pude testemunhar e, de forma especial, a cada irmão que me faz, a todo instante, crescer para o verdadeiro sentido da vida.

Renuncio ao poder dos homens para viver na dependência do único poder daquele que me interessa: Jesus Cristo.

Por último, aos meus filhos, Maria Thereza e Matheus, destinatários de todo meu amor, o meu pedido de compreensão por minha decisão que tem também o propósito de deixar para vocês um testemunho de que na vida o que importa não são os valores do poder pelo poder, mas o compromisso ético em melhor fazer o bem, cada vez mais, para aqueles que de nós precisarem. Eis a vocação que escolhi.

A todos, o meu carinho e consideração!!!

Pelas mãos de Maria, eis-me aqui, Senhor!!!
Fabiano Moura de Moura

J. Luiz com clickpb